domingo, 24 de janeiro de 2010

Cheguei ao meu destino…



Mais uma noite…
Sento-me em frente do meu ecrã transcritor
Mesa desarrumada, mal iluminada, coberta por muralhas de papel,
Pós espessos e teias de bichos indecentes!
Acompanhadas de um cheiro a whisky e a tabaco frio,
Característica sintomática de todo o escritório, do bom escritor!

Combustíveis, que se evolam
E se tornam vapor,
Com a intensificação da Escrita à pagina
do Pensamento ao litro,
do Raciocínio à grama
Dinamizo vários gamas de sentimentos indolores…
Mas para quem?

Vivo constantemente em nevoeiros,
Sou dos que fuma maço à hora.
Escrevo, descrevo inscrevo e reescrevo…
Construindo moldes circundantes de ideias mal elaboradas.
Como as beatas aleatórias que enchem este cinzeiro,
Que tento re-fumar até ao filtro, por falta de ideias.

Dizem-me, por isso, reconstrutor,
Ora de impulsos, hora da criação,
As palavras obedecem-me à letra;
Sou o seu criador,
Exército, zombie sempre ao meu dispor
Mortas ou vivas?
Apenas eu decido…
Porque, para os que não sabem,
Sou o detentor das chaves do céu
E de tudo o eu sinto.

Inspirações temporais
Ora chuva ora sol…
O mês de que gosto mais
É o de Abril…
Adivinhem porquê,

Tenho inúmeros projectos que não me levam a nada
Mórbidos indecentes, por não me darem entrada…
Já nem consigo diluir os vinhos e tintos
Que me aquecem e me consomem,
Falta-me o pão,
Pobre alimento que me sai tão caro!

Já não sou Dono de nada,
Apenas Dono Próprio desta minha
Própria desgraça…
A vida de solitário tem destes inconvenientes.
No entanto, vivo numa encosta perto do céu,
Encadeada por palavras,
Das quais perdi a chave...

Por vezes questiono-me
«Onde andarão elas?
As paletes de meninas que perturbam os meus sonhos?»
Sem dúvida, estórias escritas por mim que tomo como reais…
Alcoolismo ou miopia?
Já nem sei quem ponho na cama,
São apenas realidades abstractas,
Pois vivo só,
Comigo mesmo.

Quero alguém,
Mulheres de preferência.
Frias ainda melhor,
Do stock do armazém, daquele lá bem em cima
Onda não chega ninguém!
Daquelas que já não sentem dor,
Já não quero sentir nada
Só o frio delas contra o meu calor…

Dizem-me perverso,
Olá, apresento-me,
Sou apenas um verso antes de outro qualquer…
Será que há algum problema?
Sempre cercado por balseiros,
Os homens são parvos e a natureza está louca!
Até os vinhos se atrasam:
Ora vinho de vinhos,
Ora Sumos de uva,
Ora Tintos, os meus amores!

Rápido, rápido,
A Produção já nem acompanha o meu consumo!
Mas que fazem os agricultores?
A culpa é do governo!
Ah triste país!...
Será que o álcool conserva?
Preciso de mais, de muito mais,
Se não volto mesmo a sentir…

De qualquer modo, logo tenho consulta!
Vou com o Sr. Vinho, filho do Engenheiro Baco,
Levam-me ao Dr. Alcoolismo,
Provavelmente a mesma conversa,
«Senhor, já não posso nada por si, as minhas receitas têm poderes limitados!
Aconselho-o Professor Drogas,
Ele possui de uma quantidade de sopas e chás que o poderão ajudar!»

E assim fui…
Agora tenho a cabeça à roda,
Sinto-me tonto
Mal consigo descrever a minha sala…
Nesta minha encosta perdida perto do céu!
Estou farto,
Onde andas dormitório?
Sempre desarrumado como eu…
Tenho calor…
Onde estás janela?
Abro-a, para tudo ficar mais fresco,
Paro e penso no que vou fazer…
Surge-me uma ideia,
Dou um passo em frente,
Por momentos sinto-me mais leve!
Atrás tudo fica mais pequenino
E o que está em frente aproxima-se!
Sem me mexer sinto o mundo a aproximar-se.
Com força, com mais força, com muita força!
Por momentos, oiço um estrondo, mas um estrondo vindo de dentro!
Como se o meu corpo tivesse explodido.
Foi forte a sensação…

“Mas uma coisa é certa, cheguei ao meu destino”

By: Atmaspeculom (Sr_Próprio) e inspiração final de Ulisses....

3 comentários:

Teixeira disse...

Bem é a primeira vez que visito este blog, mas apartir deste dia vou ser um leitor regular.
Ainda nao li tudo mas vou ler, acho que o blog tem um nome muito bom, e gostei deste primeiro poema que li, sobretudo esta parte:
Vou com o Sr. vinho, filho do engenheiro baco...
Levam-me ao Dr. Alcoolismo...
E depois:
Aconselho-o professor drogas
ELe usufrui de uma quantidade de sopas e chas que o puderao ajudar.
Sim esta parte esta genial.
Força ai, continua.
Stay cool rapaz

Arsène Lupin disse...

Tambem eu "cheguei ao meu destino" quando te li.
Um abraço.

Sininho disse...

Adoro este, sem saber bem porquê

Há coisas que não têm explicação..

Um Beijo*